A mulher segunda a graça e a natureza
11 de setembro de 2017
Sou Rainha do Lar
13 de setembro de 2017
Mostrar tudo

O trabalho de rendeira para Santa Zélia

Santa Zélia em sua juventude desejou ardentemente ser religiosa mas não foi aceita no Convento. Logo se prontificou a aceitar o matrimônio como a vocação escolhida por Deus para ela. Casou-se e teve 9 filhos, dos quais 4 morrem ainda pequenos. Para ajudar no orçamento abriu um Ateliê em seu próprio lar no qual empregava algumas funcionárias para lhe ajudar na espinhosa renda Ponto de Alençon.[1]

Em toda a sua biografia jamais se nota qualquer desejo de usar seu ateliê para “decolar na carreira” e apesar de suas nítidas qualidades empreendedoras não tinha nenhuma intenção de ser uma “workaholic”[2] ou algo parecido.

“Não é o desejo de fazer fortuna que me move. Tenho mais do que desejaria, mas creio que seria loucura minha deixar esta empresa tendo que garantir o futuro de cinco filhas”.

O ofício de fazer rendas era árduo e altamente cansativo, como se lê no trecho de uma carta escrita à sua outra filha, também já freira no Carmelo. E acrescentemos a esse fardo a rotina de sua virtuosa família, na qual, como mãe e educadora ela era a primeira a se levantar, a última a deitar, praticava sempre o esquecimento de si, ocupando-se ativamente na educação das filhas “afastando-lhes até a sombra do mal”.[3]

“Se eu fosse sozinha e precisasse recomeçar a sofrer tudo que tenho sofrido há vinte e quatro anos preferiria morrer de fome, pois só em pensá-lo tenho frêmitos”. [4]

Aliás, o suspiro que reinava no seu coração não era para “decolar na carreira” e sim pelo recolhimento interior como lemos neste outro trecho de sua carta:

“Sinto necessidade de recolher-me um pouco para pensar na salvação que os embaraços deste mundo me fazem negligenciar. Deveria porém lembrar-me desta palavra da Imitação: “Porque procurais o repouso se nascestes para o trabalho?” Mas quando esse trabalho absorve muito e não se tem mais a energia da juventude, não se pode impedir o desejo de se ver livre, pelo menos em parte. Enfim, vivo nessa esperança”.[5]

[1] Ponto de Alençon é um tipo de renda francesa originária na cidade de mesmo nome. Possui um desenho floral ou de folhas, o desenho feito de fios de linho fino é traçado com fios mais grossos para adicionar mais definição.

[2] Gíria em inglês que significa alguém viciado em trabalho.

[3] Pg. 17…

[4]

[5] Pg. 33,34