22 de novembro de 2019
Mostrar tudo

Testemunho Edna Alves

Testemunho de Edna Alves, mãe de 4 religiosos.

A paz de nosso Senhor Jesus e o amor de nossa mãe Maria Santíssima esteja no coração e na vida de todos vocês e das vossas famílias. É com muita humildade, coragem e  confiança na providência  de Deus, que decidi superar minha vergonha e através deste meio de comunicação fazer um pedido de ajuda para a formação religiosa dos meus 4 filhos e também para outros jovens que, como os meus, suas famílias não tem condições de bancar os seus estudos e a vida na casa de formação religiosa dos mesmos. Todos estão no Instituto Verbo Encarnado (IVE) cujas casas de formação se localizam em SP. O Instituto vive da Providência, isto é, da ajuda de benfeitores e colaboradores amigos da instituição na formação dos religiosos.

Além disso peço também pelo Seminário Menor que está com uma obra em andamento para o aumento das instalações do seminário pois, graças ao Bom Deus, a estrutura atual está ficando pequeno para tantas vocações que Deus está mandando.

Para que vocês possam conhecer um pouco da nossa história vou compartilhar como nasceu a vocação de nossos filhos, reconhecendo com humildade que testemunho moverá e emocionará muitos corações pois relatarei somente a verdade dos fatos e a ação de Deus que aconteceu conosco.

Sou casada há 21 anos, meu esposo se chama Jaime e atualmente moramos em Curitiba- PR. Após cinco meses de casados tivemos nosso  primeiro filho, Samuel que hoje tem 20 anos, logo após Tamires 18, Jeremias 17, Felipe 16, Esther 14 e a caçulinha Verônica 12, e mais dois anjinhos no céu, que perdi após a minha caçula estar com dois anos (uma gravidez seguida da outro) pois tive dois abortos espontâneo. Eu já estava com 42 anos, idade de risco e não tive condições de segurar o bebê, sofremos muito com estas duas perdas… mas Deus nos consolou com o passar do tempo.

Meu esposo é marceneiro, mas mesmo tendo uma boa profissão desde os 17 anos, não teve muita sorte nas empresas ao qual prestava serviço ficando por isso muitas vezes desempregado. Construímos uma pequena casinha no terreno de meus pais, 3 cômodos, as crianças foram nascendo uma após a outra e a casa foi ficando pequena a cada ano, não tínhamos condições de aumentar mas isso jamais foi impedimento para nossa família não aumentar e crescer! Quando estávamos grávidos do terceiro filho, por causa da situação financeira e da pressão das pessoas e até de nossos familiares, pensamos em não ter mais filhos e até chegamos a procurar o SUS, onde fizemos todos os exames para eu fazer a operação , mas como eu teria que operar só após o bebê nascer e estivesse com seis meses meu esposo decidiu fazer a operação pois pra ele seria mais fácil (pensamento humano )…

Mas Nosso senhor não partilhava das nossas decisões tomadas sem discernimento e Ele interveio: quando meu esposo estava a caminho do hospital para marcar a cirurgia de vasectomia Jesus lhe fala ao coração duas palavras, (como um trovão a estalar em seus ouvidos) NÃO FAÇA … e em segundos ele recuou para trás assustado… pois ouvirá nitidamente pois ele sabe e sente que esta voz  vem de Deus.

Então ele volta para casa e me diz o que aconteceu dizendo que ele não iria operar, se eu quisesse, tudo bem. E respondi que eu também não iria e que fosse feita a vontade de Deus, e se Ele nos desse mais filhos Ele nos dará condições de cria-los e educar para Ele…

Não era raro as pessoas chegarem até nós criticando, dizendo que éramos loucos em colocar tantos filhos em um mundo como o de hoje e nós sempre respondemos assim: “NOSSOS FILHOS NÃO SÃO PARA O MUNDO SÃO PARA DEUS”.

Então no ano de 2012 nós mudamos para um município de Curitiba-PR, meu sogro nos ofereceu sua casa para morarmos pois ele iria mudar-se para SP. Aceitamos e dentro de 4 meses arrumamos a mudança. Nossos parentes nos ajudaram a pagar a mudança e viemos com toda esperança e fé de que aqui seria melhor para criar nossos filhos e de fato foi… Graças a Deus.

Nesta cidade  meus filhos foram crescendo em graça e sabedoria, meu esposo arrumou um trabalho em uma firma boa e foi dando para viver com a graça e a providência sempre ao nosso lado,  e aos poucos meu esposo começou a jogar eles para “fora do ninho” pois estavam entrando na adolescência e queríamos que tivessem amigos que fossem da igreja. Então colocamos os três mais velhos nos grupos de jovens da paróquia e da comunidade. Tinha um grupo de jovem chamado “Santos de calças jeans”, cuja coordenadora hoje também é religiosa do Verbo e entrou na mesma época que meus filhos. Foi desta forma que minha filha mais velha, então com 14 anos, começou a descobrir sua vocação e seu lugar no coração da igreja. No início começou a se interessar pelo Carmelo pois amava Santa Teresinha e  logo começou a  ter direção vocacional com as irmãs carmelitas de Curitiba, e um ano  depois  meus dois filhos , com 13 e 14 anos, foram fazer um retiro de 3 dias com os Claretianos em Batatais-SP, a custo do nosso pároco na época padre Roberto Gorosk. Mas eles não puderam entrar por serem muito novos.

Algum tempo depois conheci o padre Leonardo, que era meu amigo no Facebook (aquele sacerdote de batina que faz catequeses pelo YouTube) e lhe perguntei a ele se não conhecia um seminário bom que aceitasse jovens seminaristas menores de 13 anos pois meu filho caçula dos homens, Felipe, não parava de me pedir pra saber onde tinha um seminário onde ele poderia ser aceito. O padre perguntou se a gente gostava da tradição da igreja e se poderia ser um seminário tradicional e respondi que sim, pois gostávamos muito e foi quando ele me indicou o Instituto Verbo Encarnado (IVE).

Um detalhe interessante é que nesta época tínhamos acabado de fazer um curso para a consagração da família toda: foram 4 meses em que íamos todos os domingos à tarde, sem faltar um único dia. Era uma hora de curso, pegávamos 4 ônibus nos terminais para chegar na igreja. Saíamos de casa a 13 horas e chegávamos lá as 15 horas. Eles davam formação sobre a Consagração Total pelo tratado de São Luiz Maria G. de Montfort, e depois ficávamos para a Santa Missa, chegando em casa por volta das 21.30hs. Terminado o curso nós nos consagramos e foi muito bela a consagração a JESUS pelas mãos de Maria no dia 22/05/2016.

Depois que nos consagramos eles  foram se aprofundando cada vez mais na igreja, lendo livro de santos… meu esposo sempre falava dos santos para eles desde muito pequenos, e sempre conhecendo mais profundamente a tradição de nossa amada igreja Católica Apostólica Romana e buscando discernir o que Deus queria de cada um deles.

Então foi quando conhecemos o Instituto Verbo Encarnado por indicação do padre Leonardo: os dois meninos foram fazer experiência de três dias no Seminário em SP, mas eu dizia ao Felipe que foi o primeiro a entrar: “meu filho você só vai pra conhecer tá bom, você é muito novinho ainda pra entrar no seminário e você sabe que a gente não tem condições de manter vocês lá por agora… Mas quando ele conheceu e viu que era sua vocação, ao voltar para casa só faltou ajoelhar aos meus pés nos pedindo para entrar no Seminário Menor e nos dizia: “mãe se eu não entrar agora posso perder minha vocação”… Com meu coração de mãe, coração mole fiquei muito emocionada, chorei de emoção e no mês de janeiro de 2018 viajei para SP com minhas três filhas para conhecer o Seminário e o Reitor pessoalmente pois até então nós nos falávamos pelo whatsapp. O Reitor me disse que ambos tinham vocação e que eles poderiam entrar já no mesmo ano. Eu então lhe contei tudo sobre nós e as dificuldades que tínhamos em relação a dinheiro para comprar as coisas e manter eles lá e na verdade não queria que meu filho entrasse tão novinho assim). O padre então me disse “Dona Edna, vivemos da Providência de Deus; não se preocupe com nada, temos benfeitores e pessoas que nos pedem pra ajudar os meninos. Seus filhos podem começar já mesmo a sua formação religiosa como seminaristas menores  para que se tornem sacerdotes no futuro e bons sacerdotes segundo ao coração de Cristo, mas são vocês que decidirão, pois a vontade de Deus passa pela autorização e vontade  dos pais na vida dos filhos”. Frente a isso não tivemos mais argumentos, na época o Jeremias estava trabalhando como menor aprendiz, então só entrou neste ano para que pudesse juntar dinheiro para comprar o básico. Ele entrou em Janeiro de 2019.

Já a minha filha Tamires, por influência do irmão e a conselho do padre, que viu a sua vocação ao conhece-la, foi fazer experiência em abril de 2018 no Convento do mesmo Instituto (IVE) cujo ramo feminino leva o nome de Servidoras da Virgem de Matará e em novembro de 2018  decidiu também entrar. A caçula, Verônica, quando a levei no mês de julho na volta das férias do Felipe para o Seminário, quis ir conhecer onde as aspirantes moravam e também sentiu o desejo de entrar. Ela ficou dois dias com as irmãs e as outras meninas aspirantes no Convento em Mogi das Cruzes e estudam no mesmo colégio diocesano Católico que os seminaristas. Ela tinha 11 anos e dois meses e tem algo do seu nascimento que gostaria de partilhar…  a Verônica veio para enxugar minhas lágrimas… pois o sofrimento pelo qual passava era tão grande, que vocês bem podem imaginar, não pelas humilhações ou as dificuldades mas por causa das varizes que me faziam muito sofrer que quando descobri que estava  grávida novamente, com um mês de gravidez, Deus revela ao meu coração de que seria uma menina.0 Foi bem assim as palavras que vieram ao meu coração: “será uma menina, o nome dela será Verônica e ela veio pra enxugar suas lágrimas”… Escutei nitidamente, palavra por palavra. Então imagina como fiquei quando ela disse querer ser freira…ir embora de casa, morar no Convento tão distante de mim! Só por Deus meus irmãos, só a graça dEle para me sustentar e confortar. Confiava  que de algum modo Ele iria cumprir aquilo de que me falou a um mês de gestação daquela benção, a criança mais amorosa, mais meiga do mundo para comigo, literalmente ela enxugava minhas lágrimas… mas Deus a quis para Ele. Entender não cabe a nós mas aceitar sempre a sua vontade que tem que ser maior que a nossa. 

Padre Julio, Reitor do Seminário do IVE

As pessoas nos dizem: “nossa, mas seus 4 filhos estão entrando na vida religiosa com tão pouca idade assim, não foi fácil para nós desapegar de tão ricas bençãos”. Realmente foi difícil e ao mesmo tempo uma benção muito grande. Nossa família sempre foi muito unida… sabe   aquela frase que diz “família que reza unida permanece unida para sempre”?. Então, isso é  realidade em nossas vidas. A saudade é imensa e a falta que nos fazem também e não posso negar que às vezes também choro muito… olho para a mesa e não os vejo, não escuto seus sorrisos, alegrias e até as gritarias e bagunças deles pela casa. Sinto demais a falta deles, mas o que dizíamos tinha que fazer valer na pratica, nossos filhos não são para nós ou para o mundo são para Deus, e Ele os escolheu dentre tantos jovens chamados no mundo para serem a presença de Cristo na terra, e para serem santos no mundo mas não do mundo. E apesar da distância sempre nos encontramos na Santa Missa!

Deus nos deu todos eles mas Ele tem um plano na vida para cada um e um propósito maior que o nosso na vida deles e na vida daqueles pelas quais eles irão encontrar e passar, com seus exemplos de cristãos que deixaram tudo para seguir a nosso Senhor Jesus. E se Deus quiser um dia com suas mãos de sacerdotes consagrados a Deus irão nos trazer Nosso Senhor Jesus no Pão sob as sagradas espécies da Eucaristia. E nossas filhas, como mães espirituais, com suas orações de mãe das almas e esposas de Cristo na terra farão com que muitas almas se voltem para Deus e se convertam. Eis o resumo das vocações religiosas dos meus 4 filhos.

Então sempre tivemos claro que nossos filhos eram para Deus e está sempre foi a nossa resposta diante das indagações e perguntas das pessoas, pois a menos de um ano de diferença de um para o outro eu ficava grávida e cada filho era uma benção de Deus para nós. Claro que era difícil primeiro pelas condições financeiras e também porque tinha muitas varizes nas pernas me causando grandes sofrimentos a cada gravidez, mas entregava tudo nas mãos de Deus. Tem um dizer do povo antigo assim:  cada filho que Deus manda para uma família humilde e pobre vem com um pão debaixo do braço, e isso é fato na nossa vida , literalmente… Desde quando decidimos aceitar de coração os filhos que ele nos mandava. E foi assim que a Providência de Deus sempre agia nos momentos que mais precisávamos, nunca ficamos sem o pão de cada dia. Vou relatar um fato concreto:  uma vez quando meu terceiro filho tinha uns 4 anos estava grávida da caçula, a Verônica, e 4 deles mamavam mamadeira e um dia acabou o leite. Tínhamos apenas para aquele dia e na época comprávamos de quatro a cinco caixas por mês. Pois no dia que não havia mais nenhum nosso compadre, Ricardo e sua esposa Débora, padrinhos do Jeremias, chegaram em casa com uma caixa de leite e alguns pacotes de bolacha… justamente naquele dia! Não queríamos pedir nada para ninguém e tínhamos acabado de rezar o Santo Terço e pedimos a Nossa Senhora que nós ajudasse. Foi quase que imediata a ação de Deus pela intercessão de Maria… fico emocionada só de lembrar. Muitas pessoas na época nós ajudavam, e era sempre no momento que mais precisávamos… meu cunhado Jonas Alves sempre nos surpreendia nos momentos que mais precisávamos. Também ganhávamos roupas semi-novas e algumas vezes os parentes de meu esposo nos ligavam perguntando o número de roupas e sapatos das crianças no Natal e traziam para eles junto com brinquedos e mantimentos para a casa, assim como outros parentes e amigos mais próximos. Fomos  educando eles conforme as leis de Deus , buscando na oração e no sacrifício, entregando tudo: dores, sofrimentos, humilhações tudo… desde muito pequenos com dois a três aninhos começamos a ensinar eles a rezarem o Santo Terço. Como disse minha casa tinha três cômodos, quarto, sala e cozinha , (eles dormiam todos na sala ( no nosso quarto o bebê da vez 😊) , reuníamos todos no nosso quarto a noite quando o pai deles chegava do trabalho, e de joelhos ao redor de nossa cama, rezávamos, (e sempre tinha um bebê em cima dela!). Todos os dias era assim e ainda é até hoje, nossos filhos foram crescendo indo a vigílias de oração, retiros, (às vezes íamos a vigílias de oração e passávamos a noite toda ) íamos de  ônibus, trem e metrô até as igrejas e aos retiros, na época morava em SP. Levávamos um carrinho de bebê, nele colocava cobertores e edredons, travesseiros para que os mais pequenos dormissem, depois de horas brincando e às vezes rezando do jeito deles e assim foram crescendo, amando ao Senhor, a Nossa Senhora, São José e a Igreja desde pequenos. Todos os sacrifícios já foram recompensados por Nosso Senhor!

Compartilhei as graças do Senhor em nossas vidas e como nossos filhos descobriram a vocação religiosa ao qual Deus os chamara desde toda eternidade. Somos uma família muito agraciada por Deus e com a intercessão da Virgem Maria e pessoas que nos ajudaram, conseguimos encaminhar nossos filhos para o Seminário e para o Convento das religiosas.

Deus chama quem Ele quer, quando Ele quer e como Ele quer. Tudo isso meus irmãos é somente a graça de Deus agindo na vida das famílias que entregam seus filhos e suas famílias a Ele e são abertos a vida e a ação de Deus.

Quando decidimos a fazer sua vontade Ele abre as comportas do céu com suas bênçãos, e sua Providência Divina. Louvado seja Nosso Senhor pela minha família e por todas as famílias que dizem seu sim a vocação dos seus filhos. Amém!

Hoje volto a vocês, irmãos em Cristo, pedindo que nos ajudem e repassem este pedido para ajudar meus filhos religiosos porque estamos em uma situação bem difícil. Meu esposo está desempregado sem carteira registrada a dois anos e meu filho mais velho que mora conosco está vivendo há três meses do seguro desemprego. Depois de dois anos trabalhando em uma firma como auxiliar administrativo a firma mandou embora por corte de funcionários devido a crise pela qual estão passando. Vou colocar aqui a minha conta e também a conta do seminário caso alguém possa e queira ser um benfeitor ou colaborador nas despesas do seminário.

 Desde já agradeço de coração a generosidade de cada um que puder nos ajudar, e peço a Deus que retribua em dobro, conforme a generosidade e as condições de cada um. Deus vos abençoe e conto com as orações de todos também pela fidelidade e perseverança dos meus filhos e de todos os seminaristas e religiosos do instituto do Verbo Encarnado.

Edna Aparecida Ferreira Alves

BRADESCO

Agência 0211-9 Conta Poupança 1007930-6

CAIXA ECONÔMICA

Agência 3915 Operação 013 Conta Poupança 00050281-7

Também a conta do seminário menor para quem quiser ajudar na ampliação do mesmo e a todos os seminaristas menores da instituição, podendo se tornar um benfeitor ou um colaborador

Associação Brasil IVE

CNPJ 10.782.564/0006-91

BRADESCO, AG.6545-5

C/C: 0015596-9